BONITO

Região: Bonito [MS] | Relato: Flávio Martins - 30/04/16

Partimos para Campo Grande em um voo com escala em Guarulhos, mas tivemos problemas devido ao mal tempo que estava na região de Campo Grande e tentamos aterrissar em um voo as 11:30 e outro as 18:00 e terminamos tendo que pernoitar em Guarulhos. As informações foram que os fortes ventos não garantiam uma aterrisagem e decolagem segura no aeroporto de Campo Grande e neste dia apenas duas aeronaves pousaram. Chegamos a capital mato-grossense com um dia a menos na agenda e corremos para Bonito, só não corremos mais rápido por ter ido em um micro ônibus com velocidade limitada a 90km/h e ainda puxando uma carretinha. Foram quase 5 horas com uma parada na cidade de Nioaque. Desembarcamos em Bonito em uma noite fria, ou melhor, gelada. Termômetro estava na casa dos 9 graus e um vento bom pra gelar os ossos. Essa frente fria que veio junto com a gente foi a mesma que não deixou aterrissar no dia anterior, mas não desanimamos e fomos procurar algo para forrar o bucho e esquentar o esqueleto.
Bonito a noite tem uma rua com alguns restaurantes, lanchonetes, cafés e lojas de lembrancinhas. Na primeira noite achamos uma feirinha parecendo quermesse onde matamos a fome, curtimos uma musica regional e partimos para uma breve caminhada na cidade. Fechamos a noite tomando vinho quente e caldo no Taboa que é um bar, restaurante e cachaçaria. Local agradável parecendo uma choupana e rola um som bacana. No outro dia pegamos a estrada logo cedo para conhecer o recanto ecológico do rio do Prata. Nosso guia e motorista foi o Marcelo (Paraguai), gente boa, com boas histórias e bastante conhecedor da região.
De Bonito até o Prata são mais de 50Km de asfalto e tudo funciona dentro do horário combinado, então tem que ficar esperto nos horários dos passeios. O recanto do rio Prata é uma fazenda muito bem cuidada, administrada e além do ecoturismo bem feito percebe-se que o lado agrícola da fazenda também é de ponta além destinar boa área para uma RNPP.
Na recepção não deixe de experimentar o chá de bavaria (folha de noz-moscada) e não deixe de levar uma roupa seca para depois do mergulho. O mergulho de flutuação é feito em um percurso de quase 2Km que totaliza quase 4 horas de passeio, isso que ainda tem uma pequena caminhada até o local onde inicia-se o mergulho. Antes rola um treinamento para aqueles que nunca usaram mascara ou snorckel possa pegar as manhas. Os acessórios e equipamentos de mergulhos estão inclusos no pacote, as botinhas roupa de mergulho, e o kit óculos e snorckel.
Na primeira vez que alguns mergulham voltam logo espantados com a transparência e o visual e é normal escutar um “PQP!, C@r@lh# é lindo d+!”, e realmente é!


São quase 2Km de mergulho e você não se cansa de tanta beleza, a riqueza de vida de plantas e peixes como as piraputangas, dourados, curimbatás, piaus e outros. A correnteza faz o papel dela e alguns trechos o guia passa algumas ordens sobre ter atenção com pedras e cuidados extras. Quem estava guiando nosso grupo no rio foi o Alemão, outro camarada gente boa que conhecemos nesta trip. O passeio não só vale a pena como é obrigatório para quem visita Bonito, podem explicar inúmeras vezes como é a beleza do local, mas é aqueles locais que são intitulados como “Tem que ir para ver!”.
A noite decidimos procurar um lugar fora do circuito turístico para jantar e encontramos então a Cantina do Chitão. Lugar simples, típico bar com cara de cozinha caseira e o melhor de tudo é que o dono da cantina é quem prepara o rango. Refeições servidas, tudo bem preparado, preço justo e o Chitão também têm boas conversas. Reserve horas para tomar algum goro e comer bastante na cantina, do carreteiro típico, hambúrguer feito pelo Chitão, pintado ao urucum (encomenda) e mais um monte de rango de primeira.
No outro dia partimos para a Gruta Azul que fica a aproximadamente 20Km de Bonito e além da beleza do seu lago com um azul impressionante a gruta possui formações rochosas e espeleotemas interessantes. A profundidade não se sabe, mas dizem algo em torno de 90 metros e em algumas expedições de mergulho foram encontrados vários fosseis como da preguiça gigante do tigre dente de sabre. É uma descida de 100m com uma escadaria segura e com algumas paradas para ir deslumbrando o local.
Depois da gruta reservamos o fim do dia para conhecer o Balneário Municipal, que fica grudado em Bonito. É tipo o clube da cidade, mas que tem como piscina as aguas cristalinas do rio Formoso e muitos peixes que chega a tergente que fica com medo de entrar na água e ser atacado. Piraputangas e dourados ficam na espera de ganhar ração jogada pelos turistas. Um kit de mascara e snorkel é uma boa dica para um mergulho contemplativo. No local possui restaurante e toda a estrutura para ficar horas curtindo aquele pedaço do paraíso.
Como dizem, Bonito leva este nome não é a toa. E realmente é uma coisa que tem que ir e ver com os próprios olhos. Vá sem pressa, procure locais alternativos para fazer as refeições como pequenos estabelecimentos, se procurar vai encontrar coisa de qualidade e preço justo. Lugar que ir uma vez faz você dizer que terá que voltar!

VÍDEO